sábado

(Não poderia ter)

Hoje, eu me encontro em estado de emergência e de calamidade pública.
Sozinho, deprimido, felino...
Peço ajuda ou ao menos consciência de quem mais a possa ter.
Experimento o sabor amargo da desilusão, sórdida para comigo.
O dia hoje foi de Sol brilhante, generoso em nos aquecer. E eu, tristonho e medroso, fecho todas as cortinas.
Não quero me aproximar do que é belo. Não, não hoje.
Quero apenas estar sozinho. Olhar fixamente, por horas, um canto da casa escolhido ao acaso.
Esquecer da vida e dos sabores da vida. Anteceder os antecedentes, criticar o “incriticável”. Acho que para ter algum luxo por Deus, porque eu também preciso.
Amém para nós todos.


C.

5 comentários:

.Profusion disse...

Dois perdidos em um dia de sol...
ligados pelos pensamentos que passeam em devaneio... por lugares diferentes... mas, com o mesmo pesar no qual se arrasta...

Saudades de vc

hieros disse...

amem!
rs
bj

hieros disse...

bixa, vá no psiquiatra pra ela te receitar uns antidepressivos. assim não dá neh.
hj, dia 05 de julho, eu estou péssimo. estou sentindo aquilo q sinto sempre. se prepara que o ciclo mudou, a chave foi entregue. aff
chega sinto arrepios... tudo vai mudar qdo esta luz se acender. tenho um bafão pra te contar... vc n faz nem idéia

.Profusion disse...

Saudades... onde estás, por andas??

Rogerio disse...

Lispectoriano? Interessante.
Apesar de não ter conseguido ler nada dela ainda, o pouco que ouvi das pessoas que a leram e das sinopses dos livros, parecer ser uma gênia.

Interessantes textos.